Narrativas de Marca

Eu, que tenho uma formação em business (fiz GV), apesar de ter sempre trabalhado em marketing, passei a primeira década da minha carreira num intenso caso de amor com o excel. Já até conhecia a jornada do herói, mas nunca tinha aprendido (mais formalmente) sobre branded content, brand storytelling, narrativa aristotélica... Então como valeu a masterclass com a Patricia Weiss semana passada. 


O conteúdo não girou em volta da história das marcas – tema não menos importante que fica pra um próximo post, mas de conteúdos e histórias patrocinados pelas marcas. 

Por que fazer isso hoje em dia? Porque com a poluição de informações e coisas disputando nossa atenção que vivemos, conseguir ser relevante e se conectar com a audiência de forma mais significativa é muito importante. Super em linha com a onda de propósito que as marcas vivem hoje (no que a marca acredita e para que ela existe). 


Uma das grandes revoluções do marketing acontece quando a marca se coloca (de verdade) no lugar das pessoas. Marcas que representam a sociedade e ousam transformar a cultura. 


Publicidade é sobre vender para as pessoas. É sobre o produto. É o planeta onde o idioma fala o que a marca quer dizer. 

Branded content é sobre a audiência. O que interessa pra ela. O que envolve e engaja, sem interromper pra falar da marca. É o planeta onde se fala o que a audiência quer ouvir. 

Boas histórias são compartilhadas porque são interessantes. Não porque pertencem a uma marca. 


Pra um bom brand storytelling a marca precisa saber quem ela é, qual sua paixão, seu propósito, onde dói, o que ela quer mudar e porquê. 

A estrutura narrativa aristotélica envolve uma história linear, com começo, meio e fim; e pelo menos três atos: 

- Exposição - quando conhecemos os personagens até o ponto de virada.

- O conflito – obstáculos que vão desafiando o personagem na sua necessidade dramática (o que ele quer ganhar, conseguir, alcançar ao longo da história) e as decisões que vão transformando-o. 

A mudança é chave para a emoção. E o poder de humanização está na verdade dos personagens, na empatia que ele gera e nos insights que nos trazem sobre a natureza humana. 

- Resolução.


Toda história é conflito. Sem conflito não há ação. Sem ação não há personagem. Sem personagem, não há história. Personagem tem que fazer escolhas, isso que mostra quem ele é.

Os dilemas revelam a história. O incidente existe para o personagem. 

A gente se conecta com o personagem, não com a história.



Claro que o conteúdo (4 noites) foi muito mais profundo do que isso, e repleto de cases – desde muitos que ainda não conhecia, até clássicos como Dove Sketches, Like a Girl e o do ano passado da Nike. Espero que esse meu recorte dê pra dar um gostinho do que rolou. 

203 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Inovar no caos pode ser mais fácil do que você imagina

Escrevi esse texto pro super blog da BPool, mas não podia faltar por aqui... Havia escrito esse texto sobre inovação um pouco antes da confusão toda do Covid-19 e, quando chegou a hora dele ir pro ar,

  • Ícone Instagram

©2019 por Tribo de Marketing.