Tendências e Retrospectivas

Dezembro é mês de retrospectivas e de tendências. Saiu o


do Trendwatching pra 2020 e pra variar está imperdível. Resumindo uma hora do webinar em poucos minutinhos, as 5 tendências foram:

    Green Pressure - consumidores saindo do eco-status para o eco-shame. Hoje, com tantas alternativas super disponíveis, ótimas e justas, o eco-consumo deixa de ser o status de opt-in e passa pra vergonha de opt-out. Milhões de consumidores em 2020 vão optar por produtos, serviços e experiencias que aliviem essa crescente eco-vergonha.  (2019: Tesla Model 3 já é o 3o carro mais vendido em UK, tênis feito de plástico do oceano da Adidas vendeu 11M de pares e o Impossible Burger está no Burger King...)

    Brand Avatars - marcas humanas tomando novas formas. Com a fragmentação da mídia e os canais digitais se multiplicando, uma oportunidade para 2020 é prestar mais atenção em marcas que se personificam em novos personagens virtuais e avatars, para habitarem o canal digital de forma mais rica, imersiva e humana. As pessoas não querem conectar e ficar amigas de uma marca de comida ou cosmético, mas elas podem interagir super bem com marcas que as encontrem nos canais digitais onde elas vivem, ajudando-as e/ou divertindo-as.  (2019: Yumi, uma influencer virtual da SK-II, uma marca de cosméticos japonesa; Wendy's no Fortnite que foi Grand Prix em Cannes, a evolução da Nat Natura no Twitter no Brasil)

    Metamorphic Design - consumidores demandando relevância como serviço ("as a service").  A cultura de upgrades constantes e iteração do mundo dos apps gera a expectativa de adaptação de melhoria constante.  (2019: Baze que é mais que uma assinatura de vitamina, mas ajusta sua fórmula baseado num exame de sangue que ela te manda a cada 3 meses; ou a Optune da Shiseido que baseado numa selfie, dados do tempo e poluição e do ciclo menstrual personaliza diariamente o creme pro seu rosto através de um device)

    The Burnout - marcas ajudando os 'esgotados' pela pressão da vida moderna. Ansiedade e não conseguir desligar do trabalho parecem estar virando o novo status quo, a ponto da organização mundial de saude reconhecer o burn out como uma doença do trabalho atualmente. A cultura do 'always on' e do trabalho 996 (referência a jornada das 9 as 9, 6x por semana, comum nas empresas de IT na China e defendida pelo Jack Ma do Alibaba). Hoje as empresas são uma caixa de vidro, e o que acontece dentro delas (cultura e valores) reflete nas suas marcas.  (2019: Microsoft testou semana de 4 dias no Japão com ganho de produtividade, Thriva lançando teste de stress; natural pra mim lembrar as ações de várias empresas no Setembro Amarelo nesse ano)

    Civil Media - o futuro de social são conexões significativas. As redes sociais viram sinônimo de fake news, bulling, mundo idealizado que coloca uma pressão nas pessoas de algo irreal e até as taxas de suicídio entre jovens. O antídoto pra essa toxidade são espaços digitais mais íntimos, que facilitem conexões verdadeiras e respeitosas, onde você pode ser você mesmo.  (2019: rede em UK para as mães amamentando de madrugada; Sprite com fóruns no Reddit pra temas preocupantes pros jovens na America latina)


Vale assistir também o video (9min) de mega trends da trendhunter.com. 


A Isobar soltou o indice de maturidade digital de 2019 no Brasil. Só 4% das 284 empresas analisadas chegaram ao nível expert, e todas são do segmento de varejo. Para uma empresa ser expert, ela precisa usar da melhor forma possível mobile, social e search, de forma integrada, para se manter próxima do seu público e com potencial de resultado financeiro. Foram elas: Nike, Magazine Luiza, Havan, Boticário, Burger King, Pet, Cobasi, C&A, Renner, Adidas, Leroy Merlin e Chilli Beans. Mobile é a área mais desenvolvida no geral (com a drogaria Araujo no 1o lugar), Social em segundo lugar (com a Nike como top) e Search a última (com Magazine Luiza no topo).  


Já pro Twitter, as marcas e campanhas que melhor usaram a plataforma e conseguiram se comunicar de forma criativa foram Natura (com a persona Nat Natura - lembra da tendência do avatar, olha ela aí!), Skol, Renault (nostalgia da famosa campanha da Caverna do Dragão), Google, Turma da Mônica, Apple, Brahma, Descomplica, McDonald’s, Globoplay e Netflix.


Ainda na série retrospectivas e tendências, o famoso vídeo anual, YouTube Rewind, saiu. Começou se desculpando pelo fiasco de 2018 (foi o vídeo mais odiado da história) mas não escapou de ser super criticado mais uma vez (e já tem mais de 7M de dislikes vs 3M de likes).  

57 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
  • Ícone Instagram

©2019 por Tribo de Marketing.